terça-feira, 29 de março de 2016

A Roda Girou

Me acostumei com o seu cheiro misturado ao meu
Me acostumei com o gosto do seu lábio
Me acostumei a tocar cada parte do seu corpo moreno

Havia me acostumado, outrora, com andanças solitarias no caminho
Havia me acostumado com o banco do lado vazio

Mas assim, como num toque mágico do pintor
O picadeiro novamente se eleva
O palhaço reencontra a piada

E os dias, assim como a morte e a vida, é plena!

Compartilhar:

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Lembranças

Um dia qualquer, onde tudo foi torto e lindo
Novamente sentiu aquele perfume
aquele cheiro doce e marcante que há muito não experimentava
cheiro de libido
de café com pão de queijo
de grama molhada
escapadas ao fim da tarde
de amantes, errantes
crianças que cresceram livres.
Levantou um pouco os olhos,
segurou firme o corrimão do ônibus
e naquele instante o mundo parou
o sangue circulou mais depressa, as veias saltavam a pele
era o mesmo olhar
e foi a mesma sensação de outrora
novamente esteve diante do melhor e do pior dele mesmo
teve medo, não reagiu
deu sinal ao motorista e desceu na parada seguinte.
Ainda atordoado, acendeu um cigarro e contemplou a chuva que caia
ficou ali parado por um longo tempo
apenas esperando o arritmado coração acalmar..
Compartilhar:

sexta-feira, 23 de outubro de 2015

Re {L} ação Química

Um último átomo de esperança
atos desatinados e inesperados
ligações moleculares covalentes
dois ametais, semi-joias
convivência silenciosa
sinuosa

Agora resta "recombinar atos"
associar novamente os átomos
ir contra o vento que leva a outros caminhos
guerrear, construir novas pontes
estabilizar
e quem sabe, amar! 


Compartilhar:

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

Deja Vu

Sempre que aqui venho  é sinal que as coisas á não vão bem.Será mesmo que devo entrar na guerra? E se o vencedor já estiver sido eleito? Morreremos em vão?
Continuo"analizando fatos e recombinado atos". No mais, "sigo só e só me resta sonhar".

Compartilhar:

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

A Saudade é...

A saudade é algo assim:
Acordar de manhã e lembrar de que antes das 10:00 o dia não começa
Almoçar sem ter dado aquele telefone para dizer aleatoridades
É ir dormir sem dizer boa noite
É não discutir por coisas idiotas
É ter que voltar para casa na sexta a noite e permanecer la até segunda

Saudade é perder, mesmo que momentaneamente, uma parte do ser
Saudade é a vontade louca de pular de agosto para setembro
É não ter ninguem para contar piadas sem graça
Não ter ninguem para segurar a mão enquanto anda pela rua
Saudade e contar os dias para um retorno
E ficar feliz, quando se sabe que faltam poucos dias para ser completo

Novamente.

Compartilhar:

segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

Apartheid à brasileira

Não vamos até la,
nao seremos bem-vindos
aqui o chão é de terra
e até nos sentimos vivos

vamos ficar aqui
com armas e flores na mão
lá os homens são fortes
tem o poder da justiça e do camburão

vamos escutar funk no ônibus
pintar o cabelo de amarelo
ainda somos serviçais
dos ricos, nobres e belos

o país agora é uma potencia
e o dinheiro voltou para nossas mãos
pena que aqui não tem shoppings
e lá somos tratados como ladrões
Compartilhar:

terça-feira, 27 de agosto de 2013

sexta-feira, 14 de junho de 2013

O inimigo voltou!




Censura, repressão, desaparecimentos, assassinatos, tortura! Palavras que fazem alusão ao período da ditadura Militar, certo?

As recentes notícias e manobras de prefeitos e governadores de algumas cidades e estados do país estão provando que não! Quem era o inimigo? E Hoje, ele continua o mesmo?

Se antes os militares eram a representação da repressão, hoje, aqueles que deveriam garantir a democracia, e o bem estar da população, obrigam-nos a voltar no tempo e ser militantes, gritar palavras de ordem e ir as ruas protestar por nossos direitos.
Alguns exemplos:

Nós últimos dois anos, 100 moradores de rua foram assassinados em Belo Horizonte. Em São Paulo, manifestantes que procuravam dialogo com os governantes, foram violentamente reprimidos pela Polícia Militar daquele estado.

Hoje, 14/06/2013, o Governo de Minas Gerais, em uma atitude totalmente arbitrária e repressiva, proibiu manifestações durante a realização da Copa das Confederações.
Além de não sermos atendidos pelos representantes públicos, não podemos manifestar nosso descontentamento?

Pois bem, meus camaradas, O INIMIGO VOLTOU! Vamos lutar?
Compartilhar:
Proxima  → Inicio